Fazendo chapa de PVC para projetos

Olá pessoal, hoje vou mostrar para vocês uma dica que uso há algum tempo em meus projetos. Quando é necessário montar algum chassi ou caixa, eu normalmente utilizava aquelas chapas de MDF/MDP/Compensado (nunca lembro a diferença entre eles kkk) que ficam atrás dos roupeiros e armários, mas quando não se tem a disposição, o que fazer?
Chapas de PVC é a escolha mais barata, eu faço com dois tipos de canos de PVC, o de 100mm (branco) e o de 25mm (marrom).
A primeira coisa que faço são marcas no cano, para definir o tamanho que irei cortar, isso varia de um projeto para outro, normalmente tenho alguns pedaços prontos de 10 a 15cm de largura (o comprimento varia conforme o diâmetro do cano).
Após cortar o pedaço de cano e abrir um corte lateral dele, uso meu soprador térmico para aquecê-lo para ajudar abrir:
Depois de aberto o pedaço eu coloco um pequeno peso sobre ele para mudar sua forma (já que ele esfria um pouco e já fica no formato que está), isso facilita muito a próxima etapa:
Faço um "sanduíche" colocando duas folhas de papel em baixo e duas em cima ficando o cano no meio, assim posso esquentar o conjunto com um ferro de passar roupa:
Apenas deixo o ferro esquentar por cerca de 1 minuto e depois desligo e continuo passando ele quente sobre o conjunto, o papel ajuda a espalhar o calor e evita o contato do plástico com o metal, impedindo de derreter muito o rápido e danificar o ferro.
Após aquecer bastante o pedaço de cano com o ferro de passar, coloco o "sanduíche" aquecido entre minha prancheta (com um peso em cima) e um pedaço de acrílico grosso em baixo, e deixo ele esmagado esfriando nessa posição por pelo menos 15 minutos, ao final desse tempo, o PVC está completamente plano, em formato de chapa, pronto para ser utilizado nos projetos.
Aqui uma foto de alguns pedaços de PVC que estão prontos e sendo utilizados aos poucos conforme necessidade:
Por hoje é isso pessoal, um abraço e até a próxima.

Simples Dummy Load caseiro

Olá pessoal, na postagem de hoje vou mostrar um pequeno circuito "Dummy Load", ou "carga fantasma" que montei para testar minhas fontes de bancada e uso para testar fontes de circuitos que estou desenvolvendo.
Imagine que você construiu uma pequena fonte, que funciona perfeitamente, com tensões estáveis, mas quando coloca esta fonte em um circuito ela simplesmente se torna instável e a tensão cai. Uma maneira de não ter este tipo de problema, é podermos testar o comportamento da fonte em ambiente de teste na bancada, usando uma carga equivalente ao circuito que ela vai ser usada.
A carga fantasma nada mais é que um circuito capaz de transformar energia em calor, assim ajustamos o consumo do nosso circuito fantasma para simular o consumo do dispositivo real que desejamos alimentar com essa fonte e assim  descobrir exatamente o limite da fonte, onde os problemas como o ripple começa a ocorrer, a tensão começa a diminuir e que fusível devemos usar.
Segue o esquema do circuito que montei:
Lista de componentes:
C1 – capacitor eletrolítico 25V 830µF (obs: 25V para entrada de até 16V, se quiser testar valores maiores, aumente o valor do capacitor).
C2 – capacitor eletrolítico 6.3V 3300µF
Resistor - 0,3Ω 10W
Um potenciômetro linear (recomendo usar um knob nele) de 1K.
MOSFET IRF1404 com Dissipador grande (e com cooler preferencialmente).
A vantagem de usar uma fonte de 5V específica para o potenciômetro é que pode-se testar fontes com tensões menores que 5V, como 3.3V usadas em alguns circuitos.
Aqui algumas fotos do meu pequeno circuito quando ainda estava montado em placa perfurada, primeiro de frente:
E de lado:
Um resistor bem grande para dissipar bastante energia também, o resistor tem que ter uma resistência baixa, assim você consegue drenar correntes mais altas caso necessário. Pode-se utilizar também dois resistores de 1,1Ω e 5W em paralelo, funciona da mesma forma.
Aqui fazendo um teste e drenando 0,93A a 12V da fonte:
E aqui o extremo drenando 2,09A (também 12V):
Não levei até limite que nesse caso pode chegar a mais de 4A. Agora as fotos dele remontado em uma PCI com um dissipador bem maior:
De lado:
A única alteração é que adicionei um led (e seu resistor) para identificar quando a linha de 5V estiver ligada, o restante permaneceu inalterado.
O que acharam?
Por hoje é isso pessoal, um abraço e até a próxima.

Atualização do computador

Essa saga é longa kkkkk mas vamos lá, em 2011 eu comecei modificando meu gabinete, colocando mais coolers, LEDs, trocando fonte, placa de vídeo, como falei nesse post. De lá para cá, foram várias alterações, upgrades e gerais no computador.
Uma das últimas postagens com o gabinete e placa de vídeo antigos foi sobre como fazer overclock em placa de vídeo offboard, de lá para cá as atualizações foram:
- gabinete novo: PCYes Mid-Tower Pegasus com Hot-Swap.
Agora com um gabinete Mid-Tower espaço não é mais um problema! Olha o design do gabinete:
 
Visão interna:
 
O gabinete permite cable management, ou seja, gerenciar os cabos de modo a esconder todos eles no espaço entre o chassi e a tampa atrás da placa-mãe.
- placa de vídeo nova: Asus GeForce GTX 1060 DUAL OC 6GB
Se com a GTS450 em overclock eu rodava GTA V, imagina com essa agora o que posso rodar. Aliás, rodo GTA V no ultra com ela, em um monitor de 32", não só este jogo, mas todos os que tenho como Battlefield 3, Star Wars Battlefront I, Just Cause 2 e 3, entre outros títulos, todos em qualidade máxima.
Aqui a placa instalada dentro do gabinete (fita LED solda, pois estava aproveitando para fazer a troca dela):
- cooler para CPU: Cooler PCYES Zero KZ4
Como a placa de vídeo mudou, e consegue trabalhar mais em menos tempo, a carga sobre o CPU também aumentou, com isso precisei trocar o cooler do mesmo, (até porque o original já dava sinal de desgaste).
Depois de muito pesquisar e analisar modelos, o escolhido para a tarefa foi o Zero KZ4 da PCYES, suportando vários soquetes e para processadores com TDP de até 130W (meu core i5 tem TDP de 95W apenas).
 
Uma comparação dele para o cooler original que eu tinha antes:
 
Ele veio com uma pasta térmica, mas preferi utilizar a que já tenho, a Artic Silver 5 (AS5), fiz a aplicação e fixei ele no lugar, resultado:
Meu medo era ficar muito próximo dos módulos de memória RAM, mas para meu espanto, ficou bem longe, e apontando a saída de ar para a parte traseira do gabinete onde tem outro cooler para retirar o ar quente de dentro da máquina. 
Para título de comparação, GTA V estava fazendo meu processador chegar a 75ºC, agora chega a 52ºC em média. 
Cooler muito bom, recomendo!
Por hoje é isso pessoal, um abraço e até a próxima.

Jumpers para protoboard - Comprando no aliexpress

Fazia tempo que tinha que postar isso, mas sempre acabava esquecendo, ou não dava tempo, todos sabem que aqui no país é um roubo quando se precisa comprar Jumpers, e mesmo que a compra seja barata o frete sai muito caro (quase sempre mais caro que o produto) então encontrei no Aliexpress um anúncio de 65 jumpers por $1,06, que dá menos de R$4,00 (para ter uma ideia o anúncio mais em conta que encontrei é de apenas 20 jumpers por R$ 10,00 mais R$ 20,00 de frete).
Aproveitei e comprei logo 7 lotes de 65 jumpers, sim, eu comprei 455 jumpers e gastei uns R$20,00 no máximo, olha só:
Agora posso manter vários projetos em protoboard simultaneamente, pois antes precisava terminar um antes de ir para o próximo ou retirar os jumpers do projeto já que tinha poucos.
Até que chegaram rápido, comprei dia 11/07/2017 e recebi dia 25/08/2017, pouco mais de um mês. Aqui o link para o produto.
Por hoje é isso pessoal, um abraço e até a próxima.

indicação de livro nº 16

Olá pessoal, depois de várias semanas desde a última postagem da categoria de bibliografia sugerida, venho hoje com mais uma postagem para vocês.
Na postagem de hoje, o livro é este:
Arduino Robotics, foi lançado em 2011, comprei pela Amazon no mesmo ano, e valeu a pena. Este livro trás um conteúdo bem completo, no primeiro capitulo mostra o básico da eletrônica e como efetuar medições com um multímetro, depois temos o uso de sensores, motores, servos.
Trás alguns projetos de robôs e uma coisa que eu achei fascinante e diferente de outros livros, ele tem um capítulo dedicado a confecção de PCB (PCI - placa de circuito impresso), um livro que vale a pena a aquisição.
Por hoje é isso pessoal, um abraço e até a próxima.